autocura na deficiência visual parte VIII + o ver consciente por alzer augusto

amigos do professor Alzer August:

estou a lançar a parte 08 da obra autocura na deficiência visual espero que, gostem! segue o texto e a palestra:

Alzer Augusto dos Santos

O ver consciente – a visão através das máquinas

pesquisa do autor sobre a possibilidade de se melhorar a visão
com auxílio de telas digitais

São Paulo – Julho-Fevereiro de 2018-2019

palestra em:

Introdução

A presente pesquisa foi inspirada na necessidade de se ver.
A visão faz falta sim, e esta é importantíssima para a qualidade de
vida do ser humano. Por isso, pensei nas máquinas como um computador
que, podem, e nessa pesquisa ficou evidente, que, nos ajudam e podem
melhorar nossa percepção (visualização), do meio externo.

do autor:

Alzer Augusto

O tratamento visual com um software necessita de parâmetros como, simulação do ver, isto é mostra-se uma imagem de cor por exemplo, amarelo ou verde e em seguida essa cor passa a biscar
e
o deficiente tem que acertar se está piscando ou não depois o tempo de piscar tem que ser acertado depois a mudança de cor com brilho ou sem o brilho
depois pode se inserir repartições na imagem com cores diferentes e sempre criando um ambiente de estimulação visual

Este ambiente de estimulação se relaciona com possibilidades de se atingir desde um menor grau de percepção (nulo), até um grau maior onde o contato com a visão existe com cores, brilho
e formação da imagem.

A vista como um todo necessita de estímulo, as precisa de cuidados com infecções e um programa para se reabilitar a visão precisa de descanso para os olhos como mudança de paisagens lentamente
e fixação de imagens que, sejam agradáveis ao cérebro como, cores leves com fundo e perspectiva. Isso, se relaciona com imagens sem tantos detalhes e que, sejam maiores que o padrão, sendo que, a imagem
em si só precisa ter o contorno com linhas mais largas e fundo escuro
A divisão em quadrantes que, podem ser iluminados mais ou menos dependendo da necessidade do leitor deficiente que, irá movimentá-lo , para o quadrante x ou y, e isso fará
a diferença pela cor por exemplo (um leve piscar com letra e cor por exemplo).

As opções de configuração do programa para se trabalhar a visão no sentido de se fazer uma sensibilização estão ligadas à idéia de símbolos de aumento de diminuição das figuras e de
agrupamentos de cores únicas e com sombra e sem sombra- além da possibilidade do controle por seta de movimentação do brilho (luz)isso, em um painel por setas e deslocamento pelas opções de figuras: quadrados
+ retângulos + círculos etc

com possibilidades de densidade de cores (mais ou menos fraco).

a movimentação é feita por circulação dessas formas pela tela principal e repetição das formas com cores diferentes por exemplo.
O uso de sons poderá ser regulado como alternativa inicial já que, estamos a trabalhar com visão e apenas uma brevve descrição após a exibição do conteúdo é possível para uma maior certeza do
que
se vê.
Ver é um insentivo mas, é uma segurança do que se vê mesmo que, inconscientemente se enxerga luz e sombra e imagens em seguida mesmo imagens mais apagadas.
Um conjunto de 10 formas e que, poderão ser combinadas de tamanho e posição natela, além de distância entre uma e outra orma sempre com breve descrição

Assi, se vai da maior com mais brilho até com o equivalente a letra 24 com cores bemdefinidas

uma progressão entre acertos de exercícios com percentual de acertos e erros será exibida e um formulário para a doença e seus atribultos como vê a distância melhor ou vê mais perto melhor
ect também será requesitada para uma simulação personalizada.

A combinação de cores é feita de forma a visualizar-se as cores básicas e fortes no sentido intensidade.
O aspecto do som está relacionado a avisos de erros e acertos e com caixas de descrição onde a certeza será conferida pelo usuário em sim.

Após certos obstáculos se toca um som reconfortante e emotivo e uma paisagem florida e bela é exibida.

As letras do programa para se melhorar a visão podem ser feitas em terceira dimensão, isto é impressas com papel brilhante e ampliadas em forma de relevo.

O relevo pode ser utilizado como leitura, mas nos referimos a letras em visualização na tela- onde essa leitura será feita pelos olhos (mente), e sua interpretação é realizada em moldes de ampliação,
mais brilho e dimensões com mais exposição visual.
A tela com luminosidade e frequência digital (em ondas), como telas eletrônicas podem ser vistas por olhos mesmo com nulidade visual.

As esperas, círculos e quadrados estarão passando nessa tela branca com movimentos retos e circulatórios e também com movimentos de cima para baixo e com extensões em suas imagens.
Por alguns segundos brilham e saem da
Sendo que, isso é feito para insentivar o buscar da imagem e sua conscientização.
O deficiente em questão, vê de forma inconsciente na maioria das vezes, mas pode ocorrer com a melhora do quadro psico-pedagógico dele, o deficiente, ver com cores que, agora fazem sentido
e foram treinadas e melhoradas com treino de imagem.tela

O programa para se melhorar a visão necessita de telas onde o brilho da mesma não venha a ferir os olhos do paciente, isto é, com baixa luz, preferencialmente, que, reproduzam a terceira
dimensão.
O sentido da visão quando capta luz atinge partes do cérebro que, estão dormentes e deve este programa ser orientado por especialista do paciente.
O software em si, une o som ambiente, por exemplo, sons de voz ou toques na tela ao gráfico emocional que, é obtido a partir de uma anállise prévia entre informações que, são transmitidas ao
configurador e a acertiva entre respostas e percentual utilizado, como: 1 porcento de acertos etc

uma estrela por exemplo, colorida ou com cor única é utilizada para ampliação e deslocamento com tempo ampliado na tela – paciente: vejo brilho se movimentnado para à esquerda.

— Acerca do menu do programa para se melhorar a visão, o básico está ligado à ausência de parâmetros para caracterizar a visão cega, como um todo na questão da entrada da luz.*
Neste trabalho pretendemos levar o pesquisador que, nos consulta a base 1 que, seria ausência de luz com material genético presente.
Neste caso o parâmetro é atingido por estímulos a serem empregados como, movimentos circuferenciais para cima e para baixo além de, em linhas retas lentas e rápidas.

Na relação entre algarismos 0 e 1, esses são convertidos em letras ou gráficos e com isso, os zeros (0) e 1, podem ser agrupados em raízes únicas de vários fatores entre si.
— O deslocar pela tela em noções de verticalização ou seja, curvas com biscar constanteentre segundos por exemplo são exemplos desse conceito.

— A necessidade de ver mesmo para cegos totais é verdadeira e exige programas que, insentivem a ação de enxergar, onde o estímulo por luz e o buscar da claridade irá produzir noções de
pequenos choques na retina e no olho como um todo.
O paciente não deve descartar cuidados como, limpar e não ferílos com substâncias (passar amão suja).
O ver é psicológico, mas necessitamos de vontade de buscar os piscos do computador enão apagar a tela por exemplo.

O conceito para um programa que, ajude a melhorar a visão, bem, falar de ver é dizer estimular, mas é mais que isso, é prever alterações na retina e na estrutura do olho onde os refléxos
do sentir-se vendo tem haver com personalidade, pois características de nosso psicológico se relacionam com o estar de fato vendo, e nos preparam para tal fenômeno– sendo esse acontecimento em nosso cérebro
capaz de ativar as partes em cegueira absoluta do olho (retina parte do cérebro).
Portanto, o programa tem que, prever alterações de entrada de luz como se estamos no verão ou baixa temperatura (pouca luz).

Após cada teste na vista como, colocarmos a mão para tentarmos perceber e olharmos para o ambiente afim de identificarmos os móveis por exemplo, devemos estar sempre com a limpeza e idratação
com
soro fisiológico.

Na relação entre objetos visuais que, serão apresentados no vídeo do computador, por exemplo, os menus poderão apresentar porcentagens da direita para à esquerda com aumento ou diminuição
do tamanho das peças como, cubos inclusive coloridos com controle do brilho e do piscar lateral ou frontal.

O menu com controles de tempo entre as passagens dos objetos, segundos, e com outras facilidades como, acrescentar sons em conjunto com o Nvda\Jaws, acrescnetando-se sons nas passagens
dos objetos e na largura e tamanho em volume como largura etc.

O congelamento de uma tela específica – por exemplo, uma foto do Facebook ou similar, onde a descrição já foi feita por esses sistemas e agora a foto é trabalhada pelo programa
para melhorar a visão com ângulos alterados para se ajudar nesse estímulo e com ampliação e deslocamento da imagem sendo a mesma interagindo com nosso programa.

Em relação ao menu, este contará com salvar – onde o arquivo das redes sociais, por exemplo, estará sendo salvo e visualizado posteriormente, em diversas dimensões para o estímulo ser completo,
como com música no fundo e movimentação direita esquerda, cima e baixo como uma dança do objeto que, será lenta mas, programada com movimentos de passos (desenho animado), (com movimentos triangulares).

O código que, deverá ser empregado no desenvolvimento de um programa para treino da visão, necessita de noções de imagem e movimento perceptíveis para com algarismos s ou n mas, fracionados
onde
o postar se relaciona com mecanismos subjetivos de análise do alcance da visáo.
Ver uma foto com brilho pode ser também assistir a uma transformação gradativa que, varia de pessoa a pessoa, sobre as vantagens de se estimular o enxergar consciente com luz e sombra, isso
já discutimos ao longo desse ensaio, mas a combinação de duas ou mais linguagens em um sistema para máquinas pcs (torres), (notebooks), onde o deficiente ne não descartar tela e esta possa gerar sensações
agradáveis
de imagem mesmo que, estas imagens sejam (piscar de luz), poderá ser desenvolvida em editores de imagemom de o som irá auxiliar esse deficiente ver conscientemente, aspectos de remanecência de memória
e percepção ocular.

— a percepção de um olho humano pode variar de grau de deficiência, mas a sensação de luz alcança um número significativo de pessoas deficientes visuais onde mecanismos de visualização
estão relacionados a membros presentes ou memórias remanecentes.
O tempo de treino diário deve variar mas, de 05 mn com pouco brilho até 15 mn onde o cuidado para uma não-fixação excessiva deve ser considerado.
O deficiente deve estar consciente sobre os cuidados com excessos em alguns casos prejudicial a visão, isto é a exposição mas, feita com tempo de espera maior para esse treino com o programa para
se melhorar a visão sendo cuidados com higiene e manutenção com medicamentos muito importante para essa plena visualização.
Conclusão

A visão pelas máquinas fica provada no instante que, utilizamos a
tela para um constante aperfeiçoamento de nossa capacidade de compreensão
do mundo externo.
Um programa para se ver deve ser pensado em moldes de realidade
eletrônica, mas de luz do ambiente também.
O ser humano é feito para ver e precisa da visão para o sentido
perceptivo funcionar melhor e sua qualidade de estar presente na
sociedade ser validado.
Por fim, ver é necessário e seu treino um estímulo constante e
consciente e possível pelas máquinas.

Bibiografia
01.
Autocura na deficiência visual parte I, II, III, IV, V, VI,Viii
do professor Alzer Augusto02.
Áudio-livro sobre a consciência visualde Alzer Augusto

Palestras: : no google digite: palestra alzer augusto

www.alzer4.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *